2 de mai de 2009

Ebano e marfim

Maxwell chega no aeroporto de Cairo, sentindo na pele as diferenças do ambiente da África em comparação com o da Inglaterra. O excessivo calor e umidade do ar fazem o pobre Maxwell suar enquanto tenta encontrar no meio de tanta gente mulata e batas coloridas quem seria Lugalu, ou com sorte acharia com mais facilidade Gates, por ser americano como ele. Uma mulher aproxima-se tendo a seu lado um velho moreno de turbante e diz num inglês com forte sotaque crioulo:
-Voismicê será este é quem procura nós que diz é missie Maxwell?
-Sim, eu sou Maxwell, agente do FBI em investigação procurando pela srta Lugalu e sr Gates.
-Intão missie incontrou. Segue nós.
Maxwell segue a alta africana, que com seus 2 metros impressionou o jovem agente, ele nunca havia conhecido africanos ou descendentes tão belos e tão perfeitos esteticamente quanto esta mulher. Charme, beleza, elegância, porte, graça e traços suaves indicando uma origem mestiça. Ele não conseguia identificar o acompanhante desta senhora, menor que ele e visivelmente nervoso, inquieto, calado, sem que falasse qualquer coisa ou olhasse para nosso agente, este senhor moreno parecia cuidar da segurança da senhora, tal o cuidado que tinha em olhar ao redor. De algum modo, ele achou que esta dupla poderia leva-lo aos seus contatos ou que seriam guias em sua expedição pelas ruas de Cairo, em busca de Lugalu e Gates. Este trio sossegou as canelas em um ciber-café dentro do aeroporto anode o velho moreno, após as devidas precauções, fez as devidas apresentações.
-Então, espertinho? Este nerd conseguiu trapacear com um agente do FBI? Eu espero que sua organização seja mais competente, pois nós temos um monstro em nosso encalço.
-Missie Maxwell tem susto? Eu Lugalu, missie senhor lado Lugalu, parente velho e moreno, turbante mamã usando, Gates é.
-Gates? Por Deus, homem! Quer me aposentar antes do tempo? Onde arranjou estas roupas? E este bronzeado?
-As roupas foram gentilmente emprestadas por parentes da Lugalu, o bronzeado é fácil de conseguir, quando se foge desta hidra chamada cristianismo pelas ruas do Cairo e outras cidades tropicais.
-Estou impressionado. A maquiagem e disfarce estão bem naturais. Puxou material da internet?
-Dessa fonte e de outras menos oficiosas e mais clandestinas. E' incrível como você encontra apoio e auxílio, entre pessoas simples, quando você se torna um fugitivo, um marginal, um contestador, um revolucionário.
-Eu sei, eu digo. Cristo teve sucesso por causa disto. Povo tem imagem romântica com idealistas. Cristo encarnou em pobre, viveu em meio pobre, procurou pessoas com cabeça pobre, apoiou-se na pobreza e usou esta para voltar ao trono da Terra.
-Eu vejo que Lugalu também tomou especial interesse em compreender e analisar o fenômeno que tornou possível a continuação e sucesso do cristianismo até este se tornar uma potência.
-Sim os arquivos que ela compilou são bem abrangentes e claros, você deve ler tudo, mais estas informações que pude salvar antes de abandonar meu Brasil.
-Sobre o que seria?
-Bom, como toda organização totalitária, o livre acesso à informação é uma ameaça considerável. Toda tecnologia atual vem sendo difamada e demonizada por grupos evangélicos, aproveitando das paranóias existentes, tomando esta oportunidade para alavancar suas propagandas fascistóides. Eu pessoalmente ajudei ao monstro desenvolver um vírus que irá causar o colapso de toda a internet e, por tabela, todos os sistemas de comunicação, pois estão interligados por alguma espécie de sistema computadorizado.
-Todos os sistemas? Mas isso atingiria igualmente aos seus inúmeros colaboradores. Tem algo sobre esse vírus para que possamos desativá-lo ou torná-lo inócuo?
-Eu criei o sistema básico dele. O nome dado a este vírus virtual é 9.74. Como eles acreditam mesmo nessa bobagem escatológica, toda e qualquer informação ou atividade que não esteja vinculada aos valores cristãos pertencem ao Diabo e merecem ser destruídas para o bem da humanidade. Como na escatologia do Apocalipse o número da Besta é 666, tudo aquilo que for considerado demoníaco ou ateu deve receber o número da Besta e sofrer as conseqüências por resistir ao Senhor e Salvador, o Cristo.
-Entendi. 9 vezes 74 é igual a 666. Como iremos acabar com este terrorismo?
-Eu sei. Sistema igual outros vírus. Armadilha de cpu falsa. Desencriptase fácil. Vacina vendida a páginas por conversão. Páginas cristãs com escudo. Fácil hackear para copiar vacina ou tirar escudo. Inverte polaridade da ameaça.
-Viu só? E tem muito profissional na área de informática achando ser um gênio. Eu não tenho nem 30 anos e estou superado por uma garota de 20. A informática é a única tecnologia estritamente democrática.
-Passem-me todos os dados que possuem, para copiá-los e enviá-los a todos os investigadores. Nós temos alguns colaboradores que estão ajudando nesta investigação e resistência ao totalitarismo cristão que merecem receber cópias de seus relatórios.
-Eu conheci um no Brasil, o CR. Eu acho que Lugalu teria muito para conversar com as moças, elas têm tudo em comum.
-Quê? Lugalu é bruxa?
-Isso eu aprendi: todos nós somos bruxos, apenas alguns dormem ou são hipnotizados. Os únicos requisitos para que alguém seja um bruxo é aceitar sua natureza humana, aceitar a diversidade da humanidade e conviver em harmonia em seu meio social. Ao adquirir respeito por si, pelos demais e pela Natureza, nós amadureceremos e nos tornaremos maiores, humanos, racionais.
-Eu não sei ainda como irei encaixar essas informações em nossas ações contra o monstro, mas tentarei enviar o que puder para Silveira e ele certamente fará com que Sandra e Rosângela falem com Lugalu.
-Quando você conseguir, vamos colocar as meninas em contato com um velho cientista. Ele ficará muito contrariado!
-Kraspov? Ele mudou depois de nossa sessão de video-conferência por meio de webcam.
-Não! Zeheler!
-Pois eu tenho uma surpresa, que recebi de Emanoel, um dos integrantes do CR. Zeheler foi o primeiro cientista a ter os véus da sagrada ciência serem despedaçados diante da pluridimensionalidade do universo. Na verdade, ele deve estar recebendo com muita risada o pobre Kraspov que ainda é calouro.
-Que bom. Depois do que vi dentro das fileiras da Comunidade Luz de Jesus, eu estou disposto a aceitar qualquer outro credo e aberto a qualquer outra doutrina espiritual. Por exemplo, eu fiquei curioso quanto ao afamado pergaminho que Kraspov disse possuir por intermédio de seu domovoy, Olan. Pelo que pude entender da transmissão existem outros?
-Oh, sim, Zeheler tem um.
-Eu tenho pergaminho. Conheço mais guardas dos pergaminhos das memórias dos antigos deuses. Maxwell quer contato?
-Gente, isso é coincidência demais. Até parece que somos personagens de algum escritor lunático!
-Eu conheço lunático, página e livro virtual. Maxwell quer contato?
-Eu estou delirando ou escuto pelo alto-falante do aeroporto uma música de Dimmu Borgir?
-Para um roteiro ou proposta de filme, os cartolas de Hollywood teriam descartado a nossa aventura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário