4 de mai de 2009

A Fortaleza

Na manhã seguinte, Miranda e Uriel reúnem em um galpão o contingente de soldados e anjos que ainda permaneciam fiéis a eles. Ali, entre contêineres cheios de armas furtadas do arsenal divino, Miranda admirava a extensão de sua influência e poder. Uriel não quis perder tempo, ordenou a abertura dos contêineres e a distribuição das armas entre todos. Mais do que Miranda, Uriel sabia estar arriscando mais que um rebaixamento, estava apostando sua existência, pis havia escutado a convocação do Mestre para a aproximação e batalha final.
-Rápido! Não temos muito tempo! Não perca tempo com discursos ou orientações, simplesmente ordene o ativamento das armas e nos ponhamos em marcha!
-Ele está vindo? Que venha! Empunhar armas! Em frente! Primeiro os integrantes do CR, depois este falso rei! Confiem e me apóiem e terão uma recompensa que nem os profetas sonhariam!
As portas do galpão se abrem, liberando na face deste mundo o pior pesadelo da humanidade. Uriel não pode deixar de perceber a leve tonalidade rosada do firmamento, indicando a aproximação da fortaleza daquele que fora seu Mestre.
Ao redor do mundo, os governantes recebem dicas e instruções de seus orientadores espirituais, movimentando todo um aparato cerimonial e diplomático para a recepção do Messias. Mais que antes, as forças de resistência ao Cristo reúnem esforços e materiais, prontos para lutarem ou morrerem. Equipes de cientistas, filósofos e teólogos ficam em estado de alerta. Apesar da comoção internacional, na cidade do Rio, Emanoel e os seus amigos permanecem calmos e confiantes. Este é o estado da ataraxia, a satisfação que se encontra e se realiza consigo mesma.Veniel observa de um monitor a aproximação da Terra, lembrando da primeira vez que os deuses e anjos se aproximaram deste planeta. Havia grandes planos e muitas promessas. Ela lembra, horrorizada, em ver seus pais, parentes e amigos serem retalhados ou sofrerem torturas terríveis. Ela lembra de ser ajuntada com tantos outros, pequenos e frágeis, ser levada para receber o treinamento e o condicionamento necessário para que fosse uma servidora confiável do grande deus, Yheshua. Uma lembrança mista de arrependimento e remorso, mas graças a uma bruxa brasileira, ela agora estava livre, a liberdade que muitos crentes no Usurpador julgam possuir, a mesma sensação que sente um seqüestrado pelo seqüestrador, após o convívio forçado. A vontade dela é de gritar e acordar a seus companheiros, mas ela aguarda pelo momento certo, o momento precioso em que o Usurpador terá sua máscara quebrada e todos conhecerão a verdadeira face do Cordeiro.
O comandante de vôo segue com a aproximação, seguindo a curvatura espacial, mantendo a segurança e as órbitas dos planetas de nosso sistema solar. Ele sabe que o grande general tem pressa e uma agenda a ser cumprida, mas mesmo que a fortaleza seja resistente, não seria inteligente modificar as órbitas, isso poderia gerar um campo magnético e uma alteração tal no equilíbrio do sistema a ponto de causar sua total destruição. Seu general, apesar da pressa, concorda em seguir com o plano de vôo, pois não encontra qualquer obstáculo ou resistência. O plano demorou quase 6 mil anos para chegar até este ponto, 2 horas ou mais não fariam muita diferença.
De seu acampamento na Irlanda, Satan percebe a aproximação do Cordeiro que, tal como ele calculara, teria que começar a aproximação da Terra pelo ângulo inverso daquela cidade donde ele ascendeu, Jerusalém, tendo que necessariamente passar pela estratosfera no espaço aéreo da Irlanda, para seguir até seu ponto final que seria exatamente no Brasil, num lugar conhecido como Vale do Amanhecer em Brasília. Ainda demorariam 3 horas para a aterrisagem da fortaleza, do ponto em que Satan escolhera para observar, ele teria 1 hora e meia de vantagem se seguisse em sentido oeste. Deixou a este seu narrador em companhia de tantos outros bruxos, se despediu de Kelvin e Katerine, seguiu até nossa terra brasilis onde Rosângela e Samael certamente o aguardavam.
Em seu apartamento no Rio, Emanoel recebe a visita de Zeheler com as novidades que Kraspov lhe enviara. O material era promissor e tinha grande capacidade demolidora para que Emanoel usasse em seus folhetos. Sandra saiu da cozinha, séria e circunspeta, olhando fixamente para a porta do apartamento. No instante seguinte, Miranda e Uriel entram naquele apartamento de 2 dormitórios na Pampulha, com 5 dos seus comandados enquanto o restante da companhia tomava todo o edifício e redondezas.
-Sejam bem vindos, nós o aguardávamos.
-Enfim! Eu encontro os responsáveis pela maior resistência ao Reino do Senhor no Brasil! Eu espero que estejam prontos para enfrentarem o Juízo Final!
-Você pode me considerar seu inimigo mas eu nunca o tive como tal. Sentem-se todos, em breve minha esposa servirá um excelente café com biscoitos.
-Está louco? Nós vamos vaporizar todos vocês!
-Faça o que quiser. Eu quero assistir a transmissão do encontro de seu mestre com aquele que o persegue em nome da mesma justiça que vocês se julgam portadores.
-Não nos julgamos, sabemos que possuímos a justiça e a autoridade que nos foi conferida em nome do Senhor! Mirar, apontar e disparar!
Nada. Absolutamente nada. Nem um pio, movimento ou disparo. Emanoel, com irreverência, toma Miranda pelo braço e o coloca ao seu lado, no sofá. Sandra, convida Uriel:
-Sente-se aqui. Eu tenho uma companhia certa para você.
Indefeso e sentindo uma enorme força vindo daquela mulher, Uriel obedece. Na cadeira ao lado da sua, se aproxima um vulto. Espantado, Uriel percebe que é Platus que senta ao seu lado, vivo, sem qualquer cicatriz do ultimo encontro que tiveram.
-Bom, é isso. Eu estou aqui. Aproveite bem, pois eu não sei bem o que será de você quando tudo isso acabar.
-Mas como? Quando? Quem?
-Adivinha? A bruxa brasileira. Ela me escondeu muito bem. Nem Kelvin e Katerine perceberam minha presença. Paciência que ela logo virá.
-Silencio! A transmissão está começando!

Nenhum comentário:

Postar um comentário